De temperaturas e outros sentimentos

Compartilhe este post

Acho que está na Bíblia uma frase que seria mais ou menos assim : “porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca”. Se não estou enganada, trata-se de uma passagem do Apocalipse – único “livro” que eu nunca li, apesar de minha formação católica, menina criada em colégio de freira, como diziam por aí. Cito esta frase agora não para falar de religião ou algo que o valha, mas porque ela sempre me vem à cabeça quando sou obrigada a conversar com pessoas mornas. E hoje tive de fazer isto.

Sabe aquele tipo que não vibra, que não pulsa ? Então…. Que nunca está triste, mas também não está alegre ? Que nunca fala bem, mas também não fala mal ? Que sempre está pronto para dizer que compreende perfeitamente seja lá o que for ? Eu não confio. Acho que tem alguma coisa errada com os mornos.  Assim como acho que tem alguma coisa muito errada com os que não têm posição. Porque ao subir no muro só quem fica bonito é gato – o resto só demonstra uma covardia que em nada contribui para mudar alguma coisa no mundo. Aliás, também tenho sérias restrições aos que querem mudar o mundo como quem aperta controle remoto – e vivem fazendo passeatas no tuiter, no facebook, em qualquer lugar ao abrigo da chuva, do vento, do sol, da sombra, da vida, enfim.

Eu gosto mesmo é do movimento, do exagero, do choro, da gargalhada, do apagão e do grito coletivo quando a luz volta, daquela cara de sapeca das crianças pequenas que sabem que fizeram “arte” e não querem se esconder de ninguém, da polêmica, das causas, das coisas, do discurso às claras, dos que sabem dizer “isto está errado!”, sem ficar se perguntando “o que eu vou ganhar se me meter nisto ?”.

Eu gosto de quem diz “desculpa”; de quem acerta e comemora; de quem tem dúvidas e pede ajuda, de quem nunca diz para o outro “este problema é seu”, como quem lava as mãos. Por que, sinceramente, tem coisa mais sem graça do que quem não erra, não acerta, não duvida e não vibra ? Morno. Nem quente, nem frio. Morno. O estágio preliminar daquilo que não tem vida.

Deixe uma resposta