Semana do Livro Infantil agita Florianópolis

Compartilhe este post

infantilComeça no próximo dia 14 a Semana do Livro Infantil. A programação é diversificada e contempla desde contação de histórias para crianças, até debates acadêmicos, exibição de filmes e apresentações teatrais. Promovido pela Secretaria de Educação de Florianópolis, o evento tem entre os seus parceiros a Biblioteca Municipal Professor Barreiros Filho, Barca dos Livros, Fundação Franklin Cascaes, UFSC, Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), Instituto Guga Kuerten (IGK) e Associação de Voluntários de Saúde do Hospital Infantil Joana de Gusmão (AVOS).

A programação completa está no site da Secretaria de Educação. Vale conferir !

Leia Mais

E assim surgiu o mundo….

Por Fabiana Piccinin*

historiadetudo_capaA História de Tudo (Companhia das Letrinhas) é um sedutor convite a uma viagem que começa láaaaaaaaaaaaaaaaa no momento em que uma grande explosão faz surgir o planeta em que vivemos. O planeta Terra. E, deste ponto, o livro vai mostrando, a cada página, com belas imagens em dobraduras, cheias de criatividade, cores, movimento e bom texto, como esse lugar em que vivemos foi se transformando. As imagens que se montam e desmontam saltam das páginas e vão apresentando, numa ordem cronológica, primeiro a formação das estrelas e do restante da via láctea. Depois o aparecimento das primeiras plantas, peixes e os anfíbios que se movimentam até ultrapassar os limites da página. Na sequência, os dinossauros que apresentam bocas, pés e asas articuladas. E depois os meteoros. E mais tarde novos animais. Entre eles os macacos de cérebros mini, médio e grande. Até que…booooing !

foto (1)

Surge o homem como resultado dessa evolução. E com o homem o mundo passa a ter casas, ruas, livros e, sobretudo, a melhor parte disso: o registro das histórias. Seja bem vindo à encantadora história de tudo.

* Mãe do Pedro, jornalista, pesquisadora e professora universitária.

Leia Mais

Quem quiser que conte outra…

Por Nisia Rizzocapa_nao_era_uma_vez

Este livro é para quem passou a infância sem digerir direito as agruras nas vidas de alguns personagens de contos clássicos: madrastas megeras, vovozinha doente, lobo mau à espreita, abandono de crianças em plena floresta…  Mas também pode agradar, principalmente, a garotada que já teve acesso aos contos clássicos, porque aqui temos recontos muito bem escritos e humorados, reunidos na coletânea “Não era uma vez…” (Ed. Melhoramentos) por autores de diferentes nacionalidades latino-americanas, inclusive do Brasil. O livro tem o selo Co-edição Latino-americana, iniciativa da Unesco para divulgar a produção literária desses países entre si.

Um dos melhores recontos do livro é “A historia de Cinderela tal como me contaram”, da argentina Adela Basch. Dá pra imaginar uma Cinderela sem maus tratos? Maníaco-obsessiva por limpeza? Que não deixa a pobre madrasta e suas filhas camponesas sequer espanarem as peças luxuosas do palácio onde viveu muitos anos apenas ao lado do pai? E que se casa com um príncipe insuportável como ela, outro maníaco-obsessivo por limpeza, com quem nenhuma moça queria se casar?

Em “O vestido novo da imperatriz”, reconto de Heriberto Tejo, do clássico de conotações politicas “A roupa nova do rei”, quem manda no pedaço é a mulher e os costureiros malandros não conseguem enganá-la, claro! E a Chapeuzinho de “Antecedentes de uma famosa historia”, da colombiana Carolina Alonso, é uma adolescente convencida que arma uma humilhante cilada para um admirador secreto, que por sua vez se transforma num bicho terrível.

“Os três porquinho e o lobo-guará”, do escritor e ambientalista brasileiro Angelo Machado, é outro dos melhores, porque é mesmo difícil decidir qual dos recontos é o melhor. O saque genial de nosso representante brasileiro na coletânea é incluir na historia um animal de nossa fauna, ameaçado de extinção, mas que, apenas na historia, é frugívoro… por esses dois motivos, ele ganha a simpatia dos porquinhos. Mas nem tudo é possível  contar aqui, porque o melhor mesmo é acompanhar os fios das historias, como no reconto “Rapunzel (e uma grande desordem)”, de Beatriz Huidobro, do Chile, em que pedaços de muitos clássicos dourados estão trançados e servem de escada para uma boa leitura.

Nisia Rizzo de Azevedo é mãe de três crianças, para quem adora (re)contar historias, além de jornalista e professora. Email: nisiarizzo@yahoo.com.br

 

Leia Mais